Dia Mundial de Saúde/ Médico dos Cuidados Intensivos reconhece “enorme défice” no sistema de saúde do país

 

Bissau, 07 Abr 20 (ANG)  – O Médico dos Cuidados Intensivos do Hospital Nacional Simões Mendes qualificou de deficitário o sistema de saúde da Guiné-Bissau,uma vez que até hoje não se sabe o que se quer nesse campo.

Nboma Sanca numa entrevista exclusiva à ANG no âmbito do Dia Mundial de saúde que se assinala hoje em todo o planeta, disse que, se as autoridades de saúde não traçarem um objectivo para as conquistas que pretendem no campo sanitário, o país não vai conseguir atingir o patamar que todos os guineenses esperam do sector.

“Temos deficiência em todos os sentidos, como afirmei atrás, temos um sistema de saúde que desde a independência está a tentar erguer-se em vão, principalmente, neste momento em que o mundo está a ser assolado pela pandemia de Coronavírus. Por isso, o dia de hoje deve servir de reflexão ,mas, acima de tudo, para criar estratégias para o combate ao Covid-19”,disse.

Sanca frisou que a Guiné-Bissau ainda continua a sentir  imensamente pelo défice de saúde, salientando que todos pagam caro por isso, começando pelos profissionais da área que são distribuídos de maneira desigual, porque continua a haver localidades no território nacional sem cobertura sanitária enquanto que há grande número de técnicos aglomerados em Bissau .

Sanca disse que actualmente não se sabe, em diferentes especialidades  de saúde, quantos técnicos é que existem, e de quanto se vai precisar  daqui por exemplo, há 10 anos, tendo chamado a atenção para a reciclagem permanente para se estar sempre actualizado.

Para o médico, a falta de meios de trabalho fazem aumentar o número de pessoas que procuram a Junta Médica para irem tratar no exterior, uma vez que o sistema de saúde nacional está totalmente desacreditado, sem equipamentos, praticamente, nomeadamente de diagnósticos e outros materiais indispensáveis  para o trabalho diário.

“Se falamos das infraestruturas, são na sua maioria obsoletas, danificadas ou já não respondem as demandas de saúde actual porque a maioria dos guineenses procuram o Hospital Nacional Simão Mendes, mesmo com patologia que podem ser tratados nos centros de saúde locais. Ou seja não há uma linha orientadora ou se existir esta só no papel”,alerta o médico.

Nboma Sanca disse que a solução passa por delinear uma estratégia de saúde por parte das autoridades e conhecer as grande deficiências do sector, nomeadamente a formação e reciclagem dos técnico, monitorizamento, gestão dos recursos humanos, máquinas para fazer grandes diagnósticos, entre outros.

Considerou que  não se deve resumir a actuação somente no tratamento do paludismo, acrescentando que deve-se pensar igualmente no combate as outras doenças: casos de hipertensão que está a aumentar no país.

Disse que o sistema de saúde deve ser capaz de detectar as doenças na sua fase inicial a aí terá grande probabilidade de ser combatida.

Sanca alertou a população guineense a tomar o Coronavirus como uma doença real e séria, frisando  que com todas a fragilidades do sistema de saúde apontada, a solução passa pela prevenção, lavar as mãos, evitar lugares com muita gente, cumprir a ordem do Estado de Emergência, tendo chamado a atenção as forças de segurança no sentido de ajudar o Povo neste momento difícil, e não  o amedrontar.

“Quero lembrar aos guineenses que apesar de Coronavirus ser muito mediatizado devem preocupar igualmente com as outras doenças já existente porque  não desapareceram com a chegada do Covid-19”,aconselhou.

O Dia Mundial de Saúde que se celebra hoje foi instituído em 1948 e a partir desta data a Organização Mundial de Saúde (OMS), decidiu comemorar a efeméride, mas a data foi comemorado pela primeira vez em 1950 com o objectivo de consciencializar a população a respeito de qualidade de vida e dos diferentes factores que afectam a saúde populacional.

Este ano a Organização das Nações Unidas (ONU), decidiu homenagear os profissionais de saúde e a administração que trabalham noite e dia para manter a saúde e que colocam as suas vidas em risco como acontece actualmente com a chegada da pandemia. ANG/MSC/ÂC//SG

Postado por ANG às 05:35:00

GUINÉ-BISSAU JÁ TEM 33 PESSOAS INFECTADAS DE VIRUS COVID-19


A Guiné-Bissau já tem, oficialmente, 33 pessoas testadas positivo com coronavírus, na sua maioria a camada juvenil. Segundo autoridades sanitárias o número de infecção do caso de infecção de coronavírus subiu drasticamente, isto é, mais de 40 por cento
Os dados são preocupantes e forma anunciados, hoje (06 de Abril), em conferência de imprensa diária, promovida pela Comissão interministerial de combate a Coronavírus. Até ontem (05), eram 18 casos de infecções confirmadas oficialmente e em menos de 24 horas houve 15 casos novos.
O Porta-voz da Comissão interministerial de combate a Coronavírus, Tumane Baldé, explica que dos 15 casos testados positivos pela Covid 19, 9 são masculinos e 6 femininos.

Tumane sustenta ainda que até agora todos os infectados estão em estado de saúde leve e inclui uma criança de 8 anos e um idoso de mais de 59 anos de idade.

“No Laboratório Nacional da Saúde Pública foram efectivados, ontem (06), 16 análises. 15 Deram positivo e 1 negativo. Todos os infectados têm estado de saúde leve, não temos nenhuma situação grave”, sustenta.

Conforme a rádio Sol Mansi,, o presidente do Instituto Nacional de Saúde (INASA), Dionísio Cumba, disse que a contaminação está ainda em camada juvenil mas o medo é que a infecção atinja as pessoas idosas com estado de saúde mais debilitado.

Dionísio admite, no entanto, que o isolamento hospitalar é o mais aconselhável neste momento em relação ao isolamento domiciliar «medida adoptada até agora».

“Até agora temos poucos pacientes com idade avançada atingidos pela Covid 19 e isso permite-nos ter boa esperança que estes jovens poderão resistir à infecção nem relação aos idosos. Portanto, o nosso medo é que os casos aumentem e que estes infectados venham a contaminar os seus avôs os pessoas idosas das suas famílias”.

Se o país tiver casos mais graves de contaminação de Coronavírus, Dionísio Cumba teme que haverá mortes porque a Guiné-Bissau não em condições necessárias para tratar pacientes com ventilação mecânica.

“Se tivermos pacientes com estado de saúde mais crítico e que necessitam de ventilação, vai ser muito difícil o paciente sobreviva porque sabemos que quando uma pessoa chega em estado grave não só a ventilação pode salvar a sua vida mas é preciso também é necessário ter a situação clinica favorável”, adverte.

Dionísio disse ainda que na Guiné-Bissau existem apenas 6 ventiladores mecânicos no Hospital Militar, 2 no hospital privado de Bôr «da Igreja Católica», no Hospital Nacional Simão Mendes também existem alguns ventiladores que funciona no bloco operatório.

“Com os pacientes que temos actualmente, acreditamos que não vamos precisar que ninguém seja entubado e que seja preciso utilizar a ventilação mecânica”

Entretanto, o Porta-voz da Comissão interministerial de combate a Coronavírus, Tumane Baldé, disse que as pessoas foram isoladas em suas casas porque eram assintomáticos e as suas casas têm condições melhores do que os hospitais.

O número de infecção por coronavírus está a aumentar drasticamente no país. Até ontem eram 18 casos oficialmente confirmados, em menos de 24 horas o caso passou para 33. O facto preocupa autoridades sanitárias que chamam atenção à população no sentido de prevenir porque temem que, em caso de pessoas contaminadas vierem a apresentar estado de saúde grave, haverá mortes porque a Guiné-Bissau não em condições necessárias para tratar pacientes com ventilação mecânica.
Notabanca; 06.04.2020

DJAMBACUS CU MURRUS!»ATÉ OS CURANDEIROS GUINEENSES TÊM MEDO DA “NOVA DOENÇA”

Os curandeiros na Guiné-Bissau, que até aqui admitiam ter respostas para todas as doenças, mostram-se reservados perante “a nova doença”, o novo coronavírus, que afirmam desconhecer de todo.
Entrevistados pela rádio Capital FM de Bissau, os curandeiros Mussá Sibidé, maliano, a residir em Bissau há mais de uma década, e Fanta Fati, guineense, ambos conhecidos no país, afirmam não ter conhecimentos para tratar da covid-19.
Bastante publicitado nos órgãos de comunicação social e nas redes sociais entre os guineenses, dadas as suas alegadas capacidades para resolver todos os problemas de saúde, Mussá Sibidé afirma que “não sabe nada sobre esta nova doença”.
“Quando ligam digo às pessoas para irem para o hospital”, declarou Sibidé, que, disse, resolver as outras maleitas, sem ser a covid-19, à base de ervas, folhas e raízes de plantas.
O curandeiro, que é referenciado como alguém capaz de curar doenças tão diversas como reumatismo, hemorroide, diabetes, paludismo, fraturas, impotência sexual, entre outras, disse nada saber sobre o novo coronavírus.
“Exorto as pessoas a respeitarem as orientações médicas sobre como evitar o contágio pela nova doença”, afirma Sibidé, que só tem a lamentar o facto de ultimamente não estar a trabalhar “por falta de clientes”.
Também uma conhecida curandeira da Guiné-Bissau, Fanta Fati, só pede à Deus que ajude o mundo a encontrar a cura para “a doença nova” que admite desconhecer e não ter nada para propor como remédio.
Dados divulgados segunda-feira pelas autoridades sanitárias, apontam que na Guiné-Bissau o número de pessoas infetadas com o novo coronavírus passou de 18 para 33, mas com possibilidade de aumentar nos próximos dias.
Para conter a propagação do novo coronavírus, as autoridades guineenses determinaram várias medidas, ao abrigo do estado de emergência, nomeadamente o confinamento social e a limitação de circulação de pessoas e viaturas entre as 07:00 e as 11:00 locais (menos uma hora que em Lisboa).
O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 73 mil.
Dos casos de infeção, cerca de 250 mil são considerados curados.
Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.
Conosaba/Lusa

CONHEÇA OS PERFIS ACADÉMICOS E POLÍTICOS DOS MEMBROS DO GOVERNO DE ENG. NUNO NABIAM

Conheça os perfis académico e político dos elementos do elenco governamental dirigido por Nuno Gomes Nabiam. Este é um exercício jornalístico que o semanário O Democrata faz desde 2014. Visa informar aos aos cidadãos quem são os nossos governantes.

MINISTROS:

Mamadu Serifo Djaguité (MADEM-G15) – Ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares:


Nasceu no dia 20 de abril de 1960. Formou-se como Técnico Superior em Hotelaria e Turismo no ITHT (Argélia), em 1983/1986. Quadro Sénior do ministério do Turismo. Dirigente do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15). Em 1988 fez o curso do aperfeiçoamento em Gestão Hoteleira no IRHT (França). Dirigiu várias unidades hoteleiras do país. Desempenhou várias funções Foi diretor-geral do Ministério do Turismo e Artesanato, em 2006/2008. Foi Secretário-geral da Presidência da República, em 2009/2011. Depois da morte do falecido Presidente Malam Bacai Sanhá foi reconduzido para a mesma função pelo Presidente Interino, Manuel Serifo Nhamadjo, em 2012/2014. Também foi Assessor Técnico Principal do ministro dos Transportes e Comunicações na altura. Agora foi chamado para exercer as funções  ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentaresno governo de Nuno Gomes Nabiam.


Jorge Malú (PRS) – Ministro dos Recursos Naturais e Energia:

Nasceu a 14 de Abril de 1962, em Bula (região de Cacheu). Fez licenciatura em arquitetura no Instituto de Engenharia Civil de Odessa, República da Ucrânia (Ex-URSS), em 1987-1992. Vice-presidente do Partido da Renovação Social, deputado da Nação da X legislatura. Foi Presidente da Assembleia Nacional Popular, em 1999/2003. Foi vice-presidente da Comissão Organizadora da Conferência Nacional – Caminhos para Paz, Reconciliação e Desenvolvimento, em 2010/2011. Conselheiro do Presidente da Assembleia Nacional Popular para Assuntos Políticos e Parlamentares, em 2014/2016. Deputado e vice-presidente do Comité Interparlamentar de UEMOA-C.I.P. Foi ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e Comunidades, em 2017/2018. Nomeado agora para a pasta dos Recursos Naturais e Energia.


Jorge Mandinga ( APU-PDGB) – Ministro dos Transportes e Comunicações:

Natural da Guiné-Bissau. É diplomado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa (ISTUL) e mestrado em administração de empresas pelo IMD, International Institute for Management Development ( Lausanne-Suíça). Exerceu as funções do diretor técnico da CUP (Cooperativa Unidade e Progresso), a principal empresa de construção. Começou a trabalhar no Estado  em 1980 como diretor-geral do ministério das Obras Públicas, Construções e Urbanismo. Conta com uma longa experiência em associativismo empresarial. Empresário e sócio fundador e promotor de várias associações, nomeadamente: a Associação Industrial da Guiné-Bissau (AIGB) e a Câmara de Comércio da Guiné-Bissau. Dirigente de Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB). Chamado a exercer a função do ministro de Transportes e Comunicações.


Abel da Silva Gomes (MADEM-G15) – Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural:

Natural de Bissau e politólogo residente em Quinhamel. De 1984 e 1985 fez o curso intensivo na gestão partidária e estatal na academia superior de ciências políticas e gestão social junto do partido comunista da Bulgária. Em 2014, fez o curso de liderança na República Popular da China. Foi dirigente do PAIGC e eleito duas vezes deputado na lista dos libertadores (1994 e 2014) antes de ter sido expulso das fileiras do partido libertador. Desempenhou várias funções a nível da Assembleia Nacional Popular(ANP).  Foi membro fundador do Movimento para Alternância Democrática (MADEM) e Secretário Nacional do partido. Eleito deputado da lista do MADEM para a Xª legislatura no circulo eleitoral 21. Nomeado ministro de Agricultura e Desenvolvimento Rural.


Victor Mandinga (MADEM-G 15)- Ministro da Economia, Plano e Integração  Regional:

Natural da região de Bafatá, leste da Guiné-Bissau. Licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Economia/Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em econometria e métodos matemáticos para economia (1975/1980). De 1980 a 1985 frequentou vários ciclos de formação em Washington- USA (FMI-BM) e na Universidade de Grenoble – França. De 1980 a 1985, técnico superior no Banco Nacional da Guiné-Bissau/BNGB. Trabalhou em vários projetos do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial. Membro fundador do Partido da Convergência Democrática (PCD), uma formação política que dirigiu vários anos. Eleito várias vezes deputado da nação e foi reeleito deputado nesta X legislatura pela lista do Movimento para Alternância Democratica (MADEM). Exerceu várias vezes função do ministro. Pasta das Finanças, entre 2005/2007. Ministro do Comércio e Promoção Empresarial de 2016 a 2018. Foi chamado desta vez para ocupar a pasta da Economia, Plano e Integração Regional.


João Alaje Mamadu Fadia (?)- Ministro das Finanças:

Nasceu no dia 04 de Janeiro de 1959, em Bolama. Tem diploma de Estudos Superiores em Contabilidade e Administração Bancária, pelo Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa, em 1996.  Fez igualmente diversos cursos e estágios nos domínios da atividade bancária, contabilidade, auditoria e finanças, realizadas em várias instituições. Trabalhou muito cedo no antigo Banco Central da Guiné-Bissau, desde o ano de 1978. Foi diretor Central de Controlo e Prevenção de Riscos na sede do banco BCEAO, em Dakar, 2007/2008. Nomeado Diretor Nacional do BCEAO, de junho 2008 a dezembro de 2016. Desempenhou o cargo do ministro da Economia e Finanças no Governo de Carlos Gomes Júnior, em 2004/2005. Ocupou a mesma pasta no executivo de General Úmaro Sissoco Embaló, entre 2017/2018. Nomeado mais uma para exercer as funções  do ministro das Finanças, através do decreto presidencial n°. 04/2020.


Suzi Carla Barbosa (PAIGC) – Ministra dos Negócios Estrangeiros, Cooperação  Internacional  e Comunidades:

Nasceu no dia 05 de Julho de 1973. Licenciada-1992/1996, em Relações Internacionais, especializou-se em Diplomacia Africana, pelo Instituto Superior de Gestão e Economia de Lisboa – Portugal. Foi gerente de Relações Públicas–Grupo Cordial Hoteles. Em 2014, gerente do Grupo Capé. Foi distinguida com o prémio ‘Humanitário Pan-Africano’ no domínio da Liderança Social e Advocacia de Género [Pan African Award on Social Leadership & Gender Advocay], tornando-se primeira personalidade guineense a receber uma distinção nesta categoria, em 2017. Dirigente do partido libertador. Foi Secretária de Estado da Cooperação Internacional e Comunidades, em 2015. Eleita deputada da nação na nona legislatura e voltou a ser eleita deputada nesta legislatura, a Xª. Ocupou a pasta dos Negócios Estrangeiros no último executivo de Aristides Gomes e demitiu-se invocando razões políticas e pessoais. Foi chamada para exercer a mesma função neste executivo dirigido por Eng. Nuno Gomes Nabiam.


Botche Candé (PRS) – Ministro do Interior:

Nasceu a 18 de Julho de 1955. Iniciou os seus estudos primários que veio a interromper após o falecimento do pai. Dirigente dissidente do PAIGC. Em 2001 foi nomeado ministro de Estado e Conselheiro para Assuntos Religiosos do Presidente da República, Koumba Yalá. De 2002 a 2003, nomeado ministro de Comércio, Indústria, Turismo e Artesanato. Em 2009, nomeado novamente ministro de Comércio, Indústria, Turismo e Artesanato. Fazia parte do elenco de Baciro Djá como o Ministro de Estado do Interior. No governo de Úmaro Sissoco Embaló exerceu as mesmas funções. Nesta Xª legislatura foi eleito deputado na lista do PRS. Exerceu a função de Alto Comissário para a peregrinação a cidade santa de Meca (Arabia Saudita) e foi também o Conselheiro Especial para assuntos da Defesa, da Segurança interna e externa do antigo Presidente José Mário Vaz. Voltou a ser chamado para ocupar a pasta do Interior, através do decreto presidencia n°. 04/2020.


Fernando Mendonça (CADOGO JÚNIOR)- Ministro da Justiça:

Nasceu no dia 15 de julho de 1958, em Có, setor Bula. Ex-dirigente do PAIGC. É jornalista de profissão. De 2006/2008- Diretor-geral do Centro de Análise Estratégico na Presidência de Nino Vieira. De 2004-2006 – Director-geral da Comunicação Social no governo de Carlos Gomes Júnior. Em 1996 desempenhou as funções do diretor-geral da Radiodifusão Nacional (RDN). Em 2008 exerceu a função do ministro da comunicação social no governo de Carlos Correia e em 2009 voltou a exercer as mesmas funções na era de Carlos Gomes Júnior. Foi Conselheiro de comunicação do Presidente Interino, Raimundo Pereira, de 2009 /2012. De 2014 a 2020 desempenhou as funções de Conselheiro e Porta-voz do Presidente da República cessante, José Mário Vaz.


Sandji Fati (MADEM-G15) – Ministro da Defesa e Combatentes da Liberdade da Pátria:

Nasceu a 08 de Agosto de 1956, em Bissau. Combatente da Liberdade da Pátria, dirigente de MADEM. Fez o curso do Estado-Maior no ano 1992/1993, em Portugal. Mestrado em ciência militar (academia), onde fez inter-ramos (Marinha, Força Aérea, Exercito e Guarda Nacional), em 1993/1994, na Escola de Guerra em França. Oficial pára-quedista em 1996, na Escola Aerotransportadora da cidade de Pau (França). Licenciado em Direito na Faculdade de Direito de Bissau, em 2003. Fez uma formação de gestão de projetos nos Estados Unidos de América. Mestrando na área do direito constitucional na Faculdade de Direito de Lisboa. Foi ministro da Educação Nacional e voltou a ser chamado para ocupar a pasta da Defesa e Combatentes da Liberdade da Pátria no executivo dirigido por Nabiam.


Fernando Dias da Costa (PRS) – Ministro da Administração Territorial e Poder Local:

Nasceu no dia 14 de Junho de 1978. Licenciou-se em Direito na Faculdade de Direto Bissau. Fez o curso intensivo de Contabilidade na CENFA-2001/2002. Em 12 de março a 27 de abril do ano 2018 frequentou o curso de Pós-graduação em Direito penal ministrado por professores da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Direito de Bissau, nomeadamente: o Direito Penal Ambiental, o Direito Costumeiro, o Direito Penal Económico e o Direito Fundamental. Dirigente do Partido da Renovação Social (PRS) e Secretário-geral da Juventude do PRS (J-PRS).  Foi Inspetor chefe no Ministério de Comércio, de 2001/2003. Director Geral do Conselho Nacional dos Carregadores da Guiné Bissau-2014/2019. Director de Recursos Humanos de ASECNA. Nomeado para exercer o cargo do ministro da Administração Territorial e Poder Local.


Malam Sambú (PRS) – Ministro das Pescas:

Nasceu no dia 10 de agosto de 1961. Fez o ensino médio Superior na escola Normal Superior “Tchico Té”, professor de física de 1982 a 1988. Licenciado na Universidade Nanjing e depois fez o mestrado em Engenharia Elétrica e Eletrónica na Universidade de Macau. Engenheiro responsável pelas áreas de Eletricidade, Informática, Telecomunicações, frio e fiscalização de obras na Universidade de Macau. Adido comercial e empresarial da Guiné-Bissau, em Macau. Foi primeiro secretário na Embaixada da Guiné-Bissau na República Popular da China. Embaixador da Guiné-Bissau na República Popular de China, bem como para o Japão, a Índia, Singapura, a República de Correa e a República Socialista de Vietnam. Militante do PRS desde 1995 e deputado da nação, em 2008. Nomeado agora para exercer o cargo de ministro das Pescas neste governo.


António Artur Sanhá (PRS)- Ministro do Comércio e Indústria:


Arcénio Abdulai Jibrilo Baldé (MADEM-G15)- Ministro da Educação Nacional e Ensino Superior:

Nasceu no dia 03 de gosto de 1955, em Catió, região. Formou-se em Psicologia, Contabilidade e Administração Pública.  Para além da frequência  universitária  na Faculdade de Direito de Bissau, fez vários cursos intensivos, entre os quais destacam-se: contabilidade e análise económica e financeira, gestão financeira, estatísticas e sensos setoriais. Foi diretor fundador do Centro Nacional de Formação  Administrativa(CENFA) e Secretário-geral do Ministério da Educação Nacional. É professor. No estrangeiro (Portugal, Cabo Verde e Brasil) lecionou em ações de práticas pedagógicas de formação: administração, gestão e ensino de língua e integração às culturas africanas. Músico, poeta e escritor, desde 1971. É dirigente do Movimento para a Alternância Democrática. Combatente da Liberdade da Pátria com percurso politico ativo iniciado em abril de 1969 no PAIGC, nas então células clandestinas da “zona zero”, foi agora chamado para as funções do ministro da Educação Nacional e Ensino superior no governo de Nuno Gomes Nabiam.


Maria Celina Vieira Tavares (APU-PDGB)- Ministra da Administração Pública, Trabalho, Emprego e Segurança Social:


António Deuna (APU-PDGB)- Ministro da Saúde Pública:

Nasceu no dia 15 de julho de 1958, em Empada, Região de Quinara, no Sul da Guiné-Bissau. Em 1976/80, fez o curso de Farmácia na Ex. URSS na cidade Leninegrado. Em 1983/89, licenciou-se em Medicina pela Universidade Patrice Lumumba em Moscovo. Exerce há mais de 30 anos como Médico de Clinica Geral e Assistente de Cirurgia/Urologia no Hospital Nacional Simão Mendes e mais de 8 anos como profissional no Sistema Nacional de Saúde. Foi diretor de Hospital de Bula, bem como desempenhou a função do diretor-geral de Estabelecimentos dos Cuidados de Saúde. Foi Coordenador de Programa de reforço de capacidade Institucional e Técnica dos Recursos Humanos do Hospital Nacional Simão Mendes. Foi diretor de Banco de Urgência de Cirurgia de Hospital Nacional Simão Mendes. É dirigente e membro fundador da Assembleia de Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU- PDGB). Nomeado por decreto n°. 05/2020, para ocupar a pasta do ministro da Saúde Pública.


Maria da Conceição Évora (MADEM-G15)- Ministra da Mulher, Família e Solidariedade Social:

Nasceu no dia 17 de fevereiro de 1964, em Tite, região de Quinara.  Estudante de 2º ano do direito na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) – Brasil, 1986/1988. De 1988/1991 frequentou 2º ano de curso de Comunicação Social na Universidade Nova de Lisboa-Portugal.  Frequentou formação na área dos Direitos Humanos-ULB- na Universidade Livre de Bruxelas-Bélgica. Exerceu há vários anos como jornalista na Radiodifusão Nacional, na qual desempenhou as funções da Diretora-geral da Radiodifusão Nacional, de 1996 – 1999. De 2018/2019, Inspetora-geral da Juventude, Cultura e Desportos. Desempenhou as funções da Diretora-geral dos Desportos, de 2017/2018. Foi secretária de Estado da Juventude e Desportos, em 2019. Dirigente do MADEM e vai ocupar a pasta da ministra de Família e Solidariedade.


Fidelis Forbs (MADEM-G15)- Ministro das Obras Públicas, Habitação  e Urbanismo: 

Nasceu a 02 de Junho de 1975, em Bissau. Iniciou a formação da Contabilidade e Gestão na Escola Nacional de Administração (Ex-CENFA) e que acabou por concluir no Instituto Profissional de Lisboa (Portugal), em 2005. Fez ainda uma formação denominada de “Cothing – Executivo e Financeiro” no Instituto Profissional de Lisboa (IPROF). Dirigente do MADEM-G15. Em 2008, desempenhou a função de Director-geral dos Desportos. Em 2012,  nomeado diretor administrativo e financeiro da Empresa Nacional PETROGUIN. Foi nomeado no governo de Baciro Djá Secretário de Estado dos Transportes e Comunicações. Nomeado no executivo de General Sissoco Embaló para exercer a função do Ministro dos Transportes e Comunicações. Agora, Forbs exercer o cargo de ministro das Obras Públicas, Habitação  e Urbanismo no executivo liderado por Nabiam.


Viriato Soares Cassamá (MADEM-G 15) – Ministro do Ambiente e Biodiversidade:

Nasceu no dia 14 de novembro de 1970, na cidade de Gabú. Licenciado em Engenharia do Ambiente, ramo ambiente, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa (UNL) -1997. Mestre em Georrecursos (Gestão dos Recursos Naturais), área científica (Geossistemas), pelo Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade Técnica de Lisboa (UTL) – setembro de 2006. Doutorando em Estudos Globais, pela Universidade Aberta, Portugal. Director-geral do Ambiente (2016-2020), Coordenador do Projecto Promoção de uma Agricultura Clima-Inteligente no Leste da Guiné-Bissau (até Fevereiro de 2020). Investigador em matériaDetecção Remota das Alterações do Coberto do solo, Cartografia da Vegetação, Sistemas de Informação Geográfica. Nomeado a ocupar a pasta do Ambiente e Biodiversidade, uma pasta governamental que pertence ao Movimento para Alternância Democrática.


SECRETÁRIOS DE ESTADOS:

Dara Iurgan da Fonseca Ramos( MADEM-G15)- Secretária de Estado das Comunidades:

Nasceu no dia 22 de novembro de 1981 na Guiné-Bissau. Licenciatura em Gestão de Empresas – Ramo de Finanças- em 2012. Áreas de especialização: a Contabilidade de Gestão Avançada, a Fiscalidade Empresarial, a Auditoria e a Accountability. Tem pós-graduação em gestão empresarial, concluído em 2013 pelo Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Tem experiência em Competitividade Organizacional, Otimização e Gestão de Operações, Gestão Comercial e Marketing, Inovação e Competitividade, Gestão de Pessoas e de Equipas. Chamada a ocupar a pasta governamental pela primeira vez na quota do MADEM, a função da Secretária de Estado das Comunidades.


Augusto Gomes (APU-PDGB)- Secretário de Estado  da Cooperação Internacional:

Nascido a 03 de janeiro de 1964 em Canchungo, região de Cacheu. Licenciado em direito pela Universidade Jean Piaget. Fez o curso médio do inglês no Centro de Formação Administrativa (CENFA). É técnico superior bancário, formado no Instituto de formação bancaria de Portugal em 1995/1997. Em 2000/2002, foi assessor principal do administrador provisório do Banco Internacional da Guiné-Bissau (BIGB). Em 2012 a 2014, desempenhou a função do diretor-geral da Presidência da República. Desempenhou a função de chefe de gabinete do ministro da Presidência do Conselho de Ministros desde junho de 2018 e até a queda do governo de Aristides Gomes. Nomeado para o cargo do Secretário de Estado da Cooperação Internacional.


Florentino Fernando Dias (MADEM-G15)- Secretário de Estado  da Juventude e Desportos:

Nasceu a 06 de janeiro de 1983. Faz parte dos militantes dos libertadores apoiantes do Grupo de 15 deputados dissidentes da fileira do PAIGC e agora dirigente do MADEM-G15. Licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito de Bissau, em 2007. Jurista e Advogado de Profissão. Membro Permanente e Fundador do Conselho do Trabalho e Diálogo Social da União Económica Monetária Oeste Africana (UEMOA). Membro e fundador do Instituto Politécnico Academus. Foi nomeado pela primeira vez como Secretário de Estado de Transportes e Telecomunicações no executivo de Baciro Dja, que durou apenas 48 horas. Ocupou a função do Secretário de Estado da Juventude e Desportos no governo de Aristides Gomes, entre 2017/2018. Voltou a desempenhar a mesma função neste executivo liderado por Nuno Gomes Nabiam.


José Carlos Varela Casimiro(MADEM-G15)- Secretário de Estado do Orçamento e Assuntos Fiscais:

Nasceu no dia 05 de maio de 1958, em Bissau, na Guiné-Bissau. Em 1980/85, licenciou-se em Economia pela Universidade de Havana (Cuba). É mestre em Economia pela Universidade de Sudeste de Illinois em Carbondale (USA). Ao longo da sua carreira, exerceu as funções deAssistente de Operações no Escritório do Banco Mundial em Bissau. Foi diretor-geral da empresa ENAG/Aeroporto de Bissau. Consultor Independente e Coordenador do Projecto de Sector Privado financiado pelo Banco Mundial(PRSP). Técnico da Secretaria de Estado do Plano e Integração Regional e Presidente do Comité de Pilotagem da Autoridade de Regulação dos Concursos Públicos. É dirigente e membro fundador do Movimento Para Alternância Democrática (MADEM G15). Nomeado para o cargo do Secretário de Estado do Orçamento e Assuntos Fiscais.


Ilídio Vieira Té ( PRS)- Secretário de Estado do Tesouro:

Nasceu no dia 05 de maio de 1983. Licenciou-se em Direito Público, em 2007 e Mestrado em Direitos Humanos Interculturais e Desenvolvimento pela Universidade Pablo de Olavide (Espanha-Sevilha, em2009). Dirigente do Partido da Renovação Social. Foi diretor de Serviço da Organização Administrativa do Ministério da Função Pública. Diretor de Gabinete do ministro da Função Pública, Trabalho e Segurança Social. Secretário-geral do Ministério da Administração Pública, Trabalho e Reforma Administrativa,e ntre 2018/2019. Nomeado a exercer agora o cargo de Secretário de Estado do Tesouro.


Cornélia Lopes Man (PRS)- Secretária de Estado da Gestão Hospitalar:

Nasceu no dia 16 de setembro de 1962, em Biombo. Frequência Universitária pela Faculdade de Sociologia da Universidade Estatal de Varonej-Rússia (Ex-URSS)-1986/88. Licenciou-se em Ciências de Educação, com especialização na Língua portuguesa, pela Escola Normal Superior “Tchico Té”-2002/2006. Dirigente do Partido da Renovação Social (PRS). Inspetora Principal da Administração Pública desde 2013. Foi diretora-geral do Ensino Superior e Investigação Científica. Diretora-geral da Reforma Administrativa no Ministério da Função Pública, Reforma e Modernização de Estado, de 2018 a 2019. Agora vai ocupar a pasta da Secretária de Estado da Gestão Hospitalar.


Garcia Bifa Bideta (APU-PDGB) –  Secretário de Estado do Ensino Superior e Investigação Científica:

Nasceu no dia 16 de Abril 1983, em Nhacra, região de Oio. Fez a licenciatura em Ciências de Educação na Universidade Lusófona da Guiné (ULG), entre 2004 e 2010. Fez o mestrado em Sociologia pela Universidade do Porto (Portugal) – Especialização em Políticas Educativas na Guiné-Bissau. É docente na Universidade Lusófona da Guiné, Escola Nacional de Administração e Universidade Jean Piaget. De 2017/2019, diretor do Serviço da Divisão da Política da Educação e Formação no Instituto Nacional para o Desenvolvimento da Educação – INDE. Coordenador Pedagógico de Harmonização dos Programas do Ensino Secundário, 2016/2019. É dirigente de APU-PDGB e é a segunda vez que participa num governo em representação do seu partido e vai exercer as mesmas funções que desempenhou no anterior governo.


Nhima Sissé (MADEM-G15)- Secretária de Estado do Turismo e Artesanato:

Nasceu no dia 02 de dezembro de 1962 em Bissau. Fez o curso médio de contabilidade na Escola Nacional de Administração (ENA). Licenciou-se em Língua portuguesa pela Escola Normal Superior “Tchico Té”-  Instituto Camões. Deputada da nação na Vª e VIª legislatura no círculo eleitoral 27-Bissau. Presidente do Instituto da Mulher e Criança (IMC). Foi a primeira mulher a desempenhar o cargo de presidente da Federação de Luta Tradicional, de 2002/2003. Dirigente e membro da Comissão Política do MADEM G-15, onde desempenha o cargo da Secretária de Departamento para os Assuntos Sociais e Culturais. Nomeada a Secretária de Estado do Turismo e Artesanato.


Mário Fambé (PRS)- Secretário de Estado da Ordem Pública:


Mónica Buaró da Costa(PRS)- Secretária de Estado do Plano e Integração Territorial:

Nasceu no dia 29 de outubro 1978, em Contuboel, regiao de Bafatá.  Tem Pós-graduação na Administração Pública- pelo INA- Instituto Nacional de Administração Pública (Portugal), em 2015. Funcionária da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau (ANP ). Foi secretária do 2º Secretário da ANP, em 2009. De 2013 a 2014 Expertise SARL-Consultora Associada para os domínios de estudos, diagnósticos e formações. Consultora do PNUD para a realização de estudo/pesquisa sobre o estado do serviço público em África SOPSA, de 2015/2016. Foi diretora-geral da Rádio Difusão Nacional (RDN). Foi diretora-geral da Descentralização Administrativa- Ministério da Administração Territorial. Nomeada a exercer cargo de Secretaria de Estado do Plano e Integração Regional.


Francelino Cunha (PRS)- Secretário de Estado da Cultura:

Nasceu no dia 15 de junho de 1965 na cidade de Bolama, regiao de Bolama Bijagós. Jornalista de formação. Tem licenciatura e mestrado em jornalismo pela Universidade Estatal de Veronej, República Federativa  da Rússia. Professor universitário e docente das cadeiras de jornalismo Radiofónico e Televisivo há vários anos na Universidade Amílcar Cabral (AC) e mais tarde na Universidade Lusófona da Guiné (ULG).  Na Televisão da Guiné-Bissau (TGB) é o local onde durante 20 anos consecutivos prestou serviços como jornalista. Ocupou o cargo do diretor de informação,  diretor- geral e Presidente do Conselho de Administração, funções que exerceu até à sua nomeação ao cargo de Secretário de Estado da Cultura.


Conco Turé (MADEM-G15) – Secretário de Estado da Comunicação Social:

Nasceu no dia 15 de setembro de 1962 em Xime, Sector de Bambadinca, região de Bafatá. Licenciado em Gestão e Administração Pública, com especialização na área de recursos humanos pela Universidade Técnica de Lisboa – Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas em Portugal. Jornalista Repórter do Jornal Nô Pintcha, entre 1984/1985. Técnico Superior e Assistente da Direção Geral do Comercio Externo no Ministério do Comercio, Indústria, Turismo e Artesanato, em 1995-1998. Chefe de repartição de Importação no Ministério do Comercio Industria, Turismo e Artesanato. Promotor e consultor de várias Associações e empresas do sector privado nomeadamente, CCIAS, AGUIPEC, AJEP, AOIPN, ARGB e AGUICOB. Professor na Universidade Colinas de Boé em várias cadeiras, entre 2003-2011. Director-geral do GRUPO MALAIKA, SA. Nomeado agora para exercer o cargo de Secretário de Estado da Comunicação Social, uma pasta governamental que pertence ao MADEM.


Augusto Nhaga( RGB) – Secretário de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria:

Nasceu em Bissalanca, Sector de Safim, Região de Biombo. Licenciado em Direito (Menção em Administração Pública), em 2009. Deputado da nação na VIª legislatura, 1999-2003. Membro da Comissão Especializada para os Assuntos Jurídicos, Constitucionais, Administração Pública e Direitos Humanos e membro da Comissão Ad-hoc para os Assuntos da Mulher e Criança. Em 2010, consultor para elaboração da lei de bases do Ambiente e do regulamento da Inspeção Ambiental e no mesmo ano consultor para finalização do projeto da lei de avaliação ambiental. No ano 2011, consultor para elaboração do regulamento do fundo para o ambiente.  Dirigente da Resistência da Guiné-Bissau – Movimento Bafatá, nomeado para a função do Secretário de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria.

nb: texto publicado no formato impresso do Jornal O Democrata, edição n°354 de 12 de março de 2020

Por: Redação

LGDH: Estado de emergência não é carta branca para as práticas de violência contra os cidadãos!

No quadro da sua missão de promoção e proteção dos direitos humanos, as estruturas regionais da LGDH, têm recebido denúncias de práticas de atos ilícitos perpetrados pelas autoridades policiais, em várias regiões da Guiné-Bissau, no âmbito de execução das medidas preventivas contra COVID-19.

Segundo as informações recolhidas pelos nossos ativistas, alguns agentes de Polícia estão a apreender motorizadas e bicicletas dos cidadãos que utilizam estes meios de locomoções para facilitar as suas deslocações entre aldeias e cidades.

De acordo com as mesmas fontes, as autoridades policiais estão a cobrar 23.000 FCFA por cada motorizada apreendida e 2500 por bicicletas, agravando ainda mais a difícil situação social e econômica por que passam a população guineense neste momento.

Para além estas praticas de cobranças ilícitas, as forças de segurança estão a exercer violência física contra os cidadãos que supostamente desrespeitam as regras de confinamento e distanciamento social, decretadas pelas autoridades nacionais.
Em Bissau, multiplicam-se casos de agressões brutais de cidadãos perpetradas pelas forças de segurança.

Repudiamos com veemência estes comportamentos ilegais e abusivos, por traduzirem uma afronta à dignidade da pessoa humana.
É preciso que as forças de segurança compreendam uma vez por todas, que o estado de emergência não é uma carta branca para as intimidações e violações dos direitos humanos.

É urgente que a corporação policial adopte a abordagem pedagógica e de sensibilização dos cidadãos sobre os perigos do COVID-19, do que enveredar-se pelas práticas de violência.

Aos guineenses, o nosso veemente apelo: cumpram com rigor, as medidas restritivas adoptadas pelas autoridades nacionais no quadro da prevenção desta perigosa doença.

JÁ SÃO 18 CASOS CONFIRMADOS DE CORONAVÍRUS NA GUINÉ-BISSAU

As autoridades sanitárias guineenses anunciaram hoje que subiu para 18 o número de pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus, e que alguns dos infectados estão a demonstrar resistência para serem transferidos para o hospital.
O anúncio foi feito pelos médicos Tumane Baldé e Dionísio Cumba, elementos do Centro Operacional de Emergência de Saúde (COES), criado pelas autoridades para responder à pandemia da covid-19, na Guiné-Bissau.
Na apresentação diária da evolução da doença, Tumane Baldé afirmou que, das 14 amostras em análise, três testaram positivo, 11 negativo, o que perfaz 18 pessoas infetadas na Guiné-Bissau, até ao dia de hoje.
O médico indicou que todos os doentes apresentam um quadro clínico leve e que alguns são até assintomáticos.
Tumane Baldé avisou que os casos suspeitos (atualmente 37) poderão aumentar, uma vez que decorrem os inquéritos para localizar pessoas que estiveram em contacto com eles.
Dionísio Cumba referiu que existem informações de haver “alguma resistência de alguns doentes” em serem transferidos para o hospital Simão Mendes, local de isolamento e tratamento, determinado pelas autoridades.
Alguns dos infetados não estão a respeitar as orientações em termos de auto-isolamento, assinalou Dionísio Cumba.
Entre os infetados, dois são cidadãos estrangeiros, os restantes são guineenses.
Fique em casa e cuide-se.
Notabanca; 04.04.2020

NEVILNA BARRETO, ANTIGA MINISTRA DA AGRICULTURA DA GUINÉ-BISSAU PROPÕE MEDIDAS PARA MITIGAR FOME

A antiga ministra da Agricultura da Guiné-Bissau recomendou hoje a distribuição de sementes e a aquisição do caju com o apoio internacional para mitigar a fome no país no âmbito do combate à covid-19.
Numa mensagem publicada na rede social Facebook, Nelvina Barreto salienta que 70% dos 1,8 milhões de habitantes do país vive nas zonas rurais e depende da agricultura de subsistência, nomeadamente do cultivo de arroz e caju.
O arroz é a base alimentar dos guineenses e a Guiné-Bissau não produz em quantidade para garantir a procura interna.
Mais de 80% da população do país depende da campanha de comercialização de caju para comprar comida, vestuário e outros bens durante o ano.
Tendo em conta o cenário económico mundial provocado pela pandemia do novo coronavírus, Nelvina Barreto propõe que com o apoio dos parceiros internacionais se proceda a um “rápido levantamento para identificar famílias em estado de carência extrema, para organizar a transferência de dinheiro que permitirá àqueles agregados adquirir bens de primeira necessidade”.
A ministra da Agricultura propõe também a distribuição de sementes de arroz, milho, amendoim e feijão e apoio com máquinas para o “cultivo de maiores extensões de terra para aumentar a capacidade de produção” e a distribuição de animais de ciclo curto para garantir o consumo de carne e servirem de fonte de rendimento.
A reabilitação de silos, “existentes em todas as regiões”, para permitir armazenar as colheitas, é outra das propostas de Nelvina Barreto.
Em relação ao caju, principal produto de exportação da Guiné-Bissau e base do crescimento económico do país, a ministra da Agricultura de Aristides Gomes propõe que as organizações não-governamentais e cooperativas locais apoiem os produtores a secar e a guardar convenientemente o produto para não ganhar humidade.
Nelvina Barreto propõe também a “mobilização de recursos junto dos parceiros internacionais para adquirir a castanha de caju produzida pelas famílias, aguardando que o comércio internacional se recomponha e que possa ser vendido a um bom preço”.
A ministra recomenda igualmente que sejam feitas campanhas de sensibilização em línguas nacionais sobre a “necessidade de fazer poupanças para garantir a provisão de alimentos durante pelo menos seis meses”.
A Guiné-Bissau regista nove casos confirmados da covid-19, aguardando resultados de análise em relação a dezenas de casos suspeitos.
No âmbito do combate ao novo coronavírus, as autoridades no poder ma Guiné-Bissau declararam o estado de emergência, encerrando as fronteiras aéreas, terrestres e marítimas, bem como outras restrições, à semelhança do que está a acontecer em vários países do mundo.
A Guiné-Bissau vive mais um período de crise política, depois de o general Umaro Sissoco Embaló, dado como vencedor das eleições pela Comissão Nacional de Eleições, se ter autoproclamado Presidente do país, enquanto decorre no Supremo Tribunal de Justiça um recurso de contencioso eleitoral apresentado pela candidatura de Domingos Simões Pereira.
Umaro Sissoco Embaló tomou posse numa cerimónia dirigida pelo vice-presidente do parlamento do país Nuno Nabian, que acabou por deixar aquelas funções, para assumir a liderança do Governo nomeado pelo autoproclamado Presidente.
O Governo demitido por Umaro Sissoco Embaló, o do primeiro-ministro Aristides Gomes, mantém o apoio da maioria no parlamento da Guiné-Bissau.
O Governo liderado por Nuno Nabian ocupou os ministérios com o apoio de militares, mas Sissoco Embaló recusou que esteja em curso um golpe de Estado no país e diz que aguarda a decisão do Supremo sobre o contencioso eleitoral.
Depois de os ministérios terem sido ocupados, as forças de segurança estiveram em casa dos ministros de Aristides Gomes para recuperar as viaturas de Estado.
Na sequência da tomada de posse de Umaro Sissoco Emabaló e do seu Governo, os principais parceiros internacionais da Guiné-Bissau apelaram a uma resolução da crise com base na lei e na Constituição do país, sublinhando a importância de ser conhecida uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça sobre o recurso de contencioso eleitoral.
O Supremo Tribunal de Justiça remeteu uma posição sobre o contencioso eleitoral para quando forem ultrapassadas as circunstâncias que determinaram o estado de emergência no país.
Conosaba/Lusa

Prevenção contra Coronavírus

Bissau,03 Abr 20(ANG) – A porta-voz da autoridade sanitária  que luta contra a pandemia do novo coronavírus, Aissatu Djaló, lamentou a persistência dos cidadãos em desrespeitar as regras de distanciamento social para evitar um possível contágio.

Mesmo com o estado de emergência em vigor e que, entre outras medidas, determina a proibição de aglomerações com mais de cinco pessoas, devendo sempre ser observada a distância de segurança de dois metros, os guineenses continuam a ter as mesmas rotinas.

Em conferência de imprensa de balanço da evolução da doença, que já afetou nove pessoas na Guiné-Bissau, Aissatu Djaló afirmou que os apelos diários das autoridades sanitárias parecem não estar a ter ressonância na população.

“Em relação à questão do distanciamento, infelizmente, no país, as pessoas não estão a cumprir”, disse Aissatu Djaló, porta-voz do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES).

De acordo com a médica, as orientações das autoridades são importantes, mas sem a colaboração da população “vai ser difícil” controlar a doença na Guiné-Bissau, onde, por exemplo, esta manhã era visível um assinalável movimento de pessoas na principal avenida de Bissau.

Aissatu Djaló assinalou que “infelizmente” os guineenses continuam a juntar-se nos mercados das 07:00 às 11:00, período determinado pelas autoridades para venda e compra de produtos alimentares, “sem respeitar as medidas de distanciamento ou uso de máscaras naqueles locais”.

A Guarda Nacional tem tentado limitar a circulação de viaturas, com operações stop nas principais artérias de Bissau, mas a população, que anda a pé continua a encher as ruas, as avenidas e os bairros, mantendo a sua rotina diária.

Sobre os nove casos de infeção confirmados, Aissatu Djaló observou que continuam a apresentar “um quadro leve, alguns assintomáticos” e que aquelas pessoas ainda estão nas suas residências, devendo ser transferidas na sexta-feira para o centro de isolamento e tratamento no hospital Simão Mendes, em Bissau.

Para já, uma equipa dos Médicos Sem Fronteiras montou três tendas de campanha logo à entrada do Simão Mendes onde é feita a triagem de pessoas que apresentam “alguns sinais que possam indiciar a covid-19”.

A porta-voz do COES indicou que até às últimas 24 horas, foram registados nove casos de infeção pela covid-19 (dois cidadãos estrangeiros e sete guineenses), 17 amostras de suspeitos estão em análise no Laboratório Nacional da Saúde Pública, em Bissau, e ainda existem 37 casos suspeitos em estudo.

Enquanto a maioria da população se mostra renitente perante as recomendações no sentido de evitar um possível contágio, alguns guineenses tentam respeitar as orientações, colocando diante das residências e locais de trabalho recipientes com água e sabão, lixívia ou álcool gel para a lavagem das mãos.

Nos últimos dias, têm surgido várias iniciativas de empresas, políticos e comerciantes que oferecem desinfetantes e recipientes para as instituições sanitárias e de apoio social.

O número de infeções pelo novo coronavírus em África ultrapassou hoje a marca dos seis mil casos (6.313), registando-se 221 mortes em 49 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente africano.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 944 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 48 mil.ANG/Lusa