PGR REVELA QUE HÁ FORTES INDÍCIOS DE CORRUPÇÃO NA CÂMARA MUNICIPAL DE BISSAU

0

O Procurador Geral da República, Fernando Gomes, revelou esta sexta-feira, 06 de novembro de 2020, que contataram-se fortes indícios de corrupção na Câmara Municipal de Bissau (CMB), relativamente à ocupação de imóveis sem certificado de quitação que comprove o pagamento integral do imóvel por supostos proprietários.

O Procurador falava durante a sessão de apresentação dos trabalhos da comissão interinstitucional de inventariação dos bens da Câmara Municipal de Bissau, no âmbito dos trabalhos da Comissão Interministerial de Recuperação dos Bens do Estado adquiridos ou ocupados indevidamente.  Segundo Fernando Gomes, o passo seguinte será entregar o relatório à subcomissão técnico-jurídica para dar o devido enquadramento a todos os casos de indícios fortes de corrupção naquela instituição. Gomes admite que muitos imóveis foram indevidamente ocupados por indivíduos há mais de vinte anos sem nenhuma autorização nem tão pouco pagam algo ao Estado.

Dados relativos à situação patrimonial indicam que, de 1973 a 2003, a edilidade dispunha de cento e sessenta e uma (161) casas de habitação, das quais trinta e uma (31) no bairro d´Ajuda, primeira fase, sessenta e quatro (64) no bairro d’Ajuda, segunda fase, vinte seis (26) no bairro de Santa Luzia e quarenta (40) no centro da cidade. Porém, dos vinte e seis (26) beneficiários das casas de bairro de Santa Luzia, nenhum processo de atribuição dispõe de certidão de quitação que comprove o pagamento integral do imóvel por parte de suposto proprietário, igualmente nenhum dos processos contém documentos de avaliação da comissão de atribuição do valor.

Em relação à situação das viaturas, a comissão concluiu que a CMB dispõe no total de trinta e duas (32) viaturas, dezassete (17) estão operacionais e quinze (15) inoperacionais. Das viaturas operacionais, 11 estão ao serviço de saneamento, três ao serviço da direção da CMB, uma ao serviço de transporte do pessoal e uma ao serviço de saúde.

No que se refere ao acordo de partilha, a comissão apurou que de 2008 a 2020, a CMB celebrou quarenta (40) acordos com ocupantes tradicionais em diferentes áreas da sua jurisdição e beneficiou de um total de dois mil e oitenta (2080) lotes e no âmbito dos referidos acordos, apenas noves foram reservados para o domínio público, os restantes foram repartidos entre os técnicos da CMB e particulares, cedidos pela CMB.

No capítulo financeiro, nomeadamente, a questão dos encargos com o pessoal, a comissão registou que a 31 de maio de 2017, a CMB contava com 730 funcionários afetos aos serviços administrativos e técnicos, e desembolsava cinquenta e sete milhões e duzentos e treze mil e seiscentos e dez francos CFA para o pagamento de salários. De acordo com o PGR, dados da comissão revelam que em 2017 a Câmara Municipal de Bissau concedeu empréstimos a funcionários no valor de um milhão e oitocentos e setenta e dois mil e quatrocentos e sessenta e cinco mil francos CFA sem plano de amortização, também constatou-se a disparidade salarial e de letras entre funcionários da mesma categoria.

“Referente aos mercados e feiras, a Câmara Municipal de Bissau, enquanto gestor da cidade de Bissau, cobra a taxa mensal a 1773 cacifos nos mercados de Bandim, de Caracol e de Santa Luzia”, revelou Fernando Gomes.

De acordo com Gomes, consultados os arquivos físicos das justificações de pagamento de salários, a comissão apurou que a direção da Câmara Municipal de Bissau paga mensalmente ao sindicato de base uma quantia variável, de quinhentos mil (500.000) francos CFA.

Perante estes fatos, Fernando Gomes anunciou que na próxima terça-feira, 10 de novembro, a comissão de inventariado começará os trabalhos no Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), tendo alertado que, na sequência dos trabalhos da comissão de recuperação dos bens do Estado, nenhuma instituição do Estado ficará isenta.

Por outro lado, Gomes informou que todos aqueles que não apresentarem documentações legais, a casa ocupada será  confiscada  e entregue ao Estado.

Por: Carolina Djemé

MINISTRO DA ECONOMIA ALEGA MUDANÇA NA ESTRUTURA GOVERNAMENTAL E DEMITE-SE

0

O ministro da Economia, Plano e Integração Regional, Victor Mandinga, demitiu-se da sua função, tendo justificado que a sua decisão deve-se à mudança da estrutura governamental.

Na carta endereçada ao primeiro-ministro guineense, Nuno Gomes Nabian,  a que a redação do semanário O Democrata teve acesso, o ministro demissionário justificou que a nomeação do vice-primeiro-ministro e igualmente ministro da Presidência do Conselho de Ministro e Coordenador da Área Económica, “os poderes de decisão e a cadeia de comando das ações governativas do ministério da Economia ficaram alteradas relativamente ao quadro na qual a minha nomeação ocorreu”. Fato que, segundo Vitor Mandinga, se traduzirá, na prática, no “esvaziar das minhas competências orgânicas”.

“Nos últimos meses, a minha convivência institucional, com o, até então, Conselheiro para área económica do Presidente da República, permetiu-me aquilatar que a minha visão, sufragada e aprovada pelo Conselho de Ministros e pela Assembleia Nacional Popular, sobre reformas e medidas de política económica, visando a transformação estrutural da nossa economia, é no essencial diferente da visão do agira vice-primeiro-ministro, em termos estratégicos, táticos e técnicos”, lê-se na carta datada de 5 de novembro de 2020.

No entender de Victor Mandinga, a sua continuidade no executivo “é perdas inúteis de energia inteletual, administrativa e técnica na elaboração de opções a submeter ao Conselho de Ministros, em matéria de política económica”, tendo em conta a inviolabilidade do seu capital político e técnico, que diz ter construído com muito sacrifício pessoal e familiar, durante muitas décadas, bem como a sua respeitabilidade de cidadão e as suas convições patrióticas, políticas e técnicas, o bom senso e a coerência.
Fatos que o recomendaram a sair do governo, para facilitar o trabalho do vice-primeiro-ministro e Coordenador da Área Económica”.

Victor Mandinga revelou que para além das razões evocadas na sua carta, tal como manifestou em pleno Conselho de Ministros, não subscreveu a proposta do Orçamento Geral do Estado para o ano económico 2021, porquanto o mesmo não tem em conta a principal reforma capaz de alavancar a economia nacional e colocar a nação na rota da emergência, ou seja, a reforma da função pública.

Insistiu na sua carta que defende um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), numa base inequívoca de reformar a função pública guineense, garantindo aos reformados e desvinculados saídas dignas [progressão na carreira para garantir uma reforma justa, após anos de congelamento da progressão e para os desvinculados sem idade de reforma indemnizar e financiar novo autoemprego em atividades privadas].

“É mais racionar realizar um investimento, uma só vez, e redimensionar e modernizar (transformação digital) a nossa função pública do que endividar-se durante décadas para pagar salários. Acho que não fui cumpreendido nesta matéria, por isso houve a decisão superior de aprovar o OGE 2021 tal como está”, contou.

Por: Assana Sambú

Desporto/FIFA vai disponibilizar sete milhões de dólares à FFGBB

 

 Bissau,06 Nov 20(ANG) – A Federação de Futebol da Guiné-Bissau(FFGB) anunciou que a FIFA vai apoiar projetos estruturantes para o desenvolvimento do futebol no país, disse à DW África um dos vice-presidentes.

O presidente da Federação , Carlos Teixeira, liderou uma delegação guineense que manteve,  quinta-feira (05.11), uma reunião negocial com a delegação regional da Federação Internacional de Futebol (FIFA) para a África Ocidental, em Dakar, Senegal.

O encontro serviu para apresentar os novos membros de Comité Executivo da Federação guineense, bem como o seu projeto para desenvolver o desporto rei no país.

No final da reunião na capital senegalesa, o vice-presidente para Infraestruturas e Cooperação  Internacional da Federação de Futebol guineense, Adilé Sebastião, disse que a FIFA vai desbloquear mais de 7 milhões de dólares para a criação de infraestruturas futebolísticas na Guiné-Bissau.

“O facto de a FIFA rever-se na nossa visão estratégica para a infraestruturação primária do nosso futebol, deixa-nos bastante satisfeitos e agradecidos pela confiança da equipa regional da FIFA. Só no capítulo das infraestruturas vamos receber mais de 7 milhões de dólares”, disse o dirigente desportivo à DW África.

Em outubro passado, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, felicitou o novo líder da Federação de Futebol, Carlos Teixeira, a quem prometeu “ajuda pessoal” para desenvolvimento do potencial da modalidade no país. “As portas da sede da FIFA estarão sempre abertas para discutir o nosso desporto, o seu desenvolvimento, a sua promoção e os seus valores”, refere Infantino, em nota dirigida a Carlos Teixeira, citada pela  DW África .

O líder da FIFA, que visitou a Guiné-Bissau em janeiro passado, disse ser conhecedor da “liderança e experiência” do novo presidente da FFGB e não ter dúvidas de que vai ter “grande impacto no desenvolvimento” do futebol na Guiné-Bissau.

A Federação de Futebol guineense pretende aplicar a verba na construção de até cinco campos com relvado sintético, requalificação do estádio olímpico de Lino Correia, situado em pleno coração de Bissau, e melhoria de várias infraestruturas desportivas no interior do país.

“Vamos trabalhar na parte técnica da elaboração ou adequação dos projetos. Mas vamos privilegiar a construção de tapetes sintéticos, vamos construir um centro de treinos com patrões bastante elevados, a nível da qualidade e da capacitação técnicas das pessoas na sua gestão”, avança Adilé Sebastião.

 Carlos Teixeira foi eleito em 30 de setembro presidente da FFGB, em substituição de Manuel Lopes, suspenso de todas as atividades desportivas durante 10 anos, pelo Comité de Ética da FIFA.ANG/DW África

Restos mortais do ex-presidente Nino Vieira serão transladados para Fortaleza de Amura

Bissau, 06 Nov 20 (ANG) – O Conselho de Ministros aprovou na quinta-feira o decreto relativo à transladação dos restos mortais do ex-Presidente da República João Bernardo Vieira do Cemitério Municipal de Bissau  para a Fortaleza de Amura, no próximo dia 16 de novembro.

A informação consta no Comunicado do Conselho de Ministros hoje enviado a redacção da Agência de Notícias da Guiné.

A  data de transladação de restos mortais de Nino Vieira vai coincidir com a celebração do dia das Forças Armadas guineenses, 16 de Novembro.

João Bernardo Vieira(Nino) foi assassinado em pleno exercício do mandato presidencial, em 2009, por um grupo de militares, na sua residência.

Na Amura, actual Estado-maior General das Forças Armadas se encontram o mausoléu de Amílcar Cabral , as sepulturas dos ex-presidentes Malam Bacai Sanhá e Kumba Yalá, dos heróis nacionais: Domingos Ramos, Osvaldo Vieira, Pansau na Isna,  Rui Djassi e Titina Sila

 Segundo o  comunicado, o Conselho de Ministros deliberou instituir uma comissão interministerial para a gestão da madeira estocada no interior do país e que aguarda drenagem, integrando os Ministérios do Ambiente, que preside, de Agricultura, das Finanças, do Interior e a Associação dos Madeireiros.

Aprovou também o projecto de Decreto relativo às radiocomunicações, e protelou, depois de apresentado, a análise e discussão do projecto de Decreto relativo aos Estatutos do Instituto Tecnológico para a Modernização Administrativa.

No capitulo de Informações Gerais, o ministro dos Recursos Naturais e Energia falou sobre os trabalhos preparativos da 46ª Sessão Ordinária do Conselho de Ministros da Organização para aproveitamento da Bacia do Rio Gâmbia (OMVG) que, este ano decorre em Bissau de 04 à 08 de novembro corrente.

Ao dar abertura aos trabalhos, o Presidente da República evocou os fundamentos do Decreto presidencial que entre outros, instituiu a figura de Vice-primeiro-ministro na estrutura orgânica do Governo no âmbito da recente remodelação governamental.

Sublinhou o papel de relevo desempenhando pelo então ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares Mamadú Serifo Djaquité, que contribuiu para a afirmação e consolidação do  actual Governo.ANG/AALS/ÂC//SG

Governo já identificou 437 bens móveis e imóveis a serem demolidos  

Bissau, 06 nov 20 (ANG) – O Director Geral das Infraestruturas de Transportes do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Urbanismo, Braima Djassi revelou citando o  relatório síntese da equipa técnica do ministério que  foram sinalizados  437 objectos entre móveis e imoveis que serão demolidos ao longo da estrada que liga  Aeroporto à Safim para permitir a construção da autoestrada.

Braima Djassi falava em exclusivo  à Agência de Noticias da Guiné (ANG), em resposta as preocupações levantadas pelos populares do sector de Safim sobre a situação dos seus imóveis que foram sinalizados pelos técnicos do Ministério das Obras Publicas Habitação e Urbanismo.

Djassi disse que dos 437 objectos que foram registados pelo projecto, 230    são construções feitas na parte direita da rua.. Disse haver    43 casas, 44 contentores, dois armazéns, 12 terrenos, quatro postos de combustíveis, 29 barracas, uma Mesquita, 62 muros de vedação  e 33 cacifos.

Informou que 18 objectos entre móveis e imóveis têm documentos completos, 53  incompletos e 159 sem nenhum documento.

Ao passo que, prosseguiu o DG das Infraestruturas de transportes,  do lado esquerdo da rua foram  registados 207 infraestruturas, entre as quais 43 casas, 34 contentores, cinco armazéns, seis tabernas, nove terrenos, um posto de combustível, 14 barracas, 20 anexos, uma igreja evangélica, uma mesquita e 73 muros de vedação.

Destas infraestruturas, conforme Braima Djassi, 57  possuem  documentos legais completos, 80 com documentos incompletos e 69 sem nenhuma documentação que comprove o direito de posse do imóvel ou móvel.

Explicou que após os trabalhos de localização dos móveis e imóveis atingidos pelo projecto da construção da autoestrada, criou-se um gabinete de atendimento instalado no Ministério das Obras Públicas, Construções e Urbanismo para acudir as reclamações dos proprietários do objectos afectados.

O Director geral das Infraestruturas de Transportes disse que ao longo desse processo a equipa técnica conseguiu registar 390 proprietários dos imoveis afectados.

Acrescentou que 242 proprietários compareceram ao gabinete de atendimento e  140 não.

Aquele responsável disse que durante o processo de atendimento a equipa foi confrontada com nove processos de dualidade de posse de terreno, por ser adquirido por duas ou mais pessoas cujas situações ainda estão por clarificar.

Relativamente ao processo de  indemnização, Braima Djassi explicou que vai ser feita mediante avaliação dos  bens visados  pelos técnicos do Ministério das Obras Públicas, assim como a apresentação dos documentos legais que comprovam  que autoridades competentes autorizaram a construções dos móveis e imóveis atingidos.

Quanto aos ocupantes tradicionais que na maioria dos casos não tem documentos, disse que esta questão vai ser analisada pelo governo caso a caso, sustentando que o Estado é uma pessoa de bem, por isso nunca vai trabalhar para prejudicar os  cidadãos.

Em relação a questão de apresentação de documentos de legalização dos imóveis como requisito para ter acesso a indemnização,  disse que  os trabalhos de recolha dos documentos dos móveis e imoveis afectados pelo projecto da construção da autoestrada Aeroporto-Safim estão em curso.

“Pedimos  compreensão aos populares do sector de Safim, porque o que está a ser feita vai melhorar as condições da vida dos mesmos, em temos de acessibilidade de outros serviços, sobretudo corrente eléctrica, água potável entre outros”, explicou.

Braima Djassi revelou que o Governo guineense já disponibilizou 3 mil milhões de francos CFA para indemnizar 390 proprietários dos móveis e imóveis atingidos pelo projecto de construção da autoestrada que liga Aeroporto à Safim. ANG/LPG/ÂC//SG

SISSOCO EMBALÓ NEGA TER ASSINADO ACORDO PARA PROSPECÇÃO DE PETRÓLEO NA ZONA CONJUNTA COM MACKY SALL

0

O Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, negou esta quarta-feira, 04 de outubro de 2020, as informações em como teria assinado o acordo para a prospecção de petróleo com o Presidente senegalês Macky Sall na zona conjunta partilhada pelos dois países. O chefe de Estado guineense assegurou que até ao momento não houve nenhuma renovação do acordo, apenas o que está a ser analisado é a possibilidade de mudança da chave de partilha do acordo assinado no passado.

Úmaro Sissoco Embaló falava depois do encontro de concertação, no palácio do governo, com responsáveis das diferentes instituições do país, nomeadamente: o primeiro-ministro, o Procurador Geral da República, o ministro do Interior, a Diretora da Polícia Judiciária, o Comandante da Guarda Nacional e o Comissário da Ordem Pública.

Na sua declaração aos jornalistas, o Presidente da República destacou a transversalidade do papel da Polícia Judiciária no combate ao crime organizado,  trabalhar em sinergias com o governo para criar as condições para a Polícia Judiciária, dotando-a de meios necessários para que possa fazer o seu trabalho.

“Durante 47 anos da independência, a PJ trabalhou sem meios. Isso é vergonhoso, mas agora como queremos fazer transformar a Guiné-Bissau num país sério, a PJ deve ter um tratamento especial, sem deixar de lado as outras forças policiais”, disse Sissoco Embaló.

Questionado sobre como está o processo de transladação dos restos mortais do General João Bernardo Nino Vieira do Cemitério Municipal de Bissau para Amura, Embalóinformou que é preciso que o povo guineense saiba quem era Nino Vieira.

“Um dos filhos da Guiné-Bissau mais respeitados pelo Amílcar Cabra é Nino Vieira, figura na primeira linha, porque é um herói. Nós não conhecemos Amílcar Cabral, mas conhecemos Nino e os próprios combatentes da liberdade da pátria que participaram na luta de libertação ouviram mais o nome do Nino do que o de Cabral, portanto ele merece o respeito do povo guineense”, salientou.

Sobre o decreto aprovado em Conselho de Ministros que autorizou a exploração florestal, Umaro Sissoco Embalóesclareceu que não existe nenhuma medida que autorize o abate florestal, apenas foi permitido aos cidadãos com dinheiro a compra de troncos de madeira cortados em 2012, de acordo com a norma estipulada pelo executivo.

Questionado se vai promulgar o decreto aprovado em Conselho de Ministros que autoriza o início da exploração florestal, Sissoco Embaló confirmou que o documento entrou no seu gabinete e será analisado pelo gabinete jurídico. Contudo, reitera que até ao momento não há nenhum documento  que autoriza corte de madeiras.

Por: Aguinaldo Ampa

PR SISSOCO EXONERA JAQUITÉ E NOMEIA SOARES SAMBÚ PARA O CARGO DE VICE-PRIMEIRO-MINISTRO

O Presidente da República, Úmaro Sissoco Embaló, exonorou através do decreto n°52/2020, esta terça-feira, 03 de novembro, Mamadu Serifo Jaquité do cargo do ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Assuntos Parlamentares e Porta-voz do Governo, tendo nomeado para a referida função o Eng. Soares Sambú.

Sambú, dirigente do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM) foi nomeado por meio do decreto n°53/2020, passa agora a desempenhar a função do vice-primeiro, ministro da Presidência do Conselho de Ministro e Assuntos Parlamentar, Coordenador para Área Económica.

QUEM É O NOVO VICE-PRIMEIRO-MINISTRO?

Soares Sambú, engenheiro de formação. Ingressou na carreia política filiando-se ao Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), na década de 1990. Chegou ao cargo de primeiro vice-presidente da Assembleia Nacional Popular na segunda legislatura multi-partidária, em 1999. Ficou em exercício até 2002, quando o parlamento foi dissolvido. Foi o dirigente da campanha do PAIGC nas legislativas de março de 2004, em que o partido ganhou a maioria dos assentos; na sequência da eleição, tornou-se Ministro dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação Internacional.

Foi ministro dos Recursos Naturais e do Meio Ambiente no governo de Martinho Ndafa Kabi, em 2007. Desempenhou também a função do ministro da Economia e da integração regional, em 2013. Em 2016, voltou a ocupar a pasta dos Negócios Estrangeiros, da Cooperação Internacional e das Comunidades. Foi ministro de Estado, presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares no governo liderado pelo atual presidente da República, Úmaro Sissoco Embaló.

Deputado há quase 20 anos e sempre na lista do PAIGC e na última eleições legislativas foi eleito na lista do MADEM. Faz parte dos 15 deputados dissidentes do PAIGC e participou da criação do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM).

Nas eleições presidencias de 2019, foi diretor nacional da campanha do então candidato (Presidente) Úmaro Sissoco Embaló. Após a investidura de Embaló, Soares Sambú, foi um dos assessores principais do Chefe de Estado.

Por: Assana Sambú

Presidente de SINJOTECS: “AMEAÇAS NÃO DEVEM COLOCAR EM CAUSA O EXERCÍCIO DO JORNALISMO”

0

A presidente do Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social (SINJOTECS), Indira Correia Baldé, defendeu esta terça-feira, 03 de novembro de 2020, que as ameaças contra os jornalistas não devem colocar em causa o exercício da profissão, por isso encorajou os profissionais de comunicação social a denunciarem as ameaças contra os homens da imprensa.

A sindicalista fez essa observação à margem da palestra realizada em parceria com o Consórcio Media Inovação da Comunicação Social (CMICS), para assinalar o dia internacional do combate à impunidade e  crimes contra os jornalistas.

Indira Correia Baldé  disse que a iniciativa simboliza a necessidade de promover um ambiente seguro para os jornalistas e para os trabalhadores dos media e a responsabilização dos culpados pelas mortes de jornalistas.

Dados estatísticos divulgados  pela UNESCO mostram que nos últimos dez (10) anos pelo menos 881 jornalistas foram mortos em todo o mundo, pelo simples fato de terem dito a verdade.

“Apenas de 2019 a 2020 morreram 44 jornalistas, o que mostra que 9 em cada 10 crimes ficaram impunes”, indicou Correia Baldé.

Indira Correia Baldé referiu que a data foi instituída em 2013, por causa do assassinato de dois jornalistas no Mali.

“Também é uma chamada de atenção, porque muitos jornalistas foram assassinados, e outros foram detidos por terem dito a verdade”, precisou.

Por sua vez, a Consultora Carmelita Pires defendeu que os jornalistas devem ser protegidos, porque comunicam, educam e falam a verdade, sobretudo na Guiné-Bissau, os governantes devem criar leis que possam ser direcionadas à proteção dos jornalistas e punição das pessoas que possam perpetrar atos contra a integridade dos jornalistas.

Neste sentido, lembrou que o país viveu muitos anos de instabilidades crónicas e o setor de comunicação social sofreu muito, por isso defendeu a  necessidade de criação de uma política para a comunicação social, com estratégias definidas para a dignificação da profissão, apostar no conhecimento e na formação para que a classe seja  capacitada, porque os jornalistas trabalham com poucos meios.

“Mas  o setor de comunicação social peca por falta de estruturação para melhor funcionamento”, referiu.

Por: Noemi Nhanguan

Foto: N.N          

Guiné-Bissau: Polícia mata jovem e fere “gravemente” duas pessoas em Safim

Por CNEWS novembro 2, 2020Um jovem morreu este domingo (01.11), em Safim, no norte da Guiné-Bissau, na sequência de tiros disparados contra a sua pessoa, pelo comandante da polícia local, com quem a vítima esteve envolvida numa “discussão acesa”, informou ao Capital News, fonte da corporação policial.

De acordo com a mesma fonte, duas outras pessoas, ficaram feridas e em “estado grave”, também por causa dos disparos do comandante da Polícia.

Revoltados com a situação, revela a fonte, os familiares da vítima mortal tentaram, esta segunda-feira, invadir a esquadra da polícia de Safim, em jeito de represália, mas a “pronta intervenção” dos agentes da Guarda Nacional (GN) e da Polícia de Intervenção Rápida (PIR), que saíram de Bissau, evitou o pior e a situação “está agora aparentemente ultrapassada”. O funeral do jovem realiza-se esta tarde, as 16horas, mas “vamos continuar aqui até que tudo se acalme definitivamente”, disse ao Capital News, um agente da Guarda Nacional, presente no local.Vários responsáveis da polícia, incluindo o Comandante Geral da Guarda Nacional (Sadjo Sissé), e o Comissário Nacional da Polícia de Ordem Pública (POP), Tomás Djassi, deslocaram-se ao lugar dos acontecimentos, para “serenar” os ânimos.