LGDH – Liga Guineense dos Direitos Humanos

Missão de sensibilização na aldeia de Maqué!

Com o apoio financeiro do PNUD Guiné-Bissau, uma delegação da LGDH chefiada pelo seu Presidente o Sr. Augusto Mário da Silva, visitou hoje a aldeia de Maqué Sector de Bissorã, região de Oio, onde recentemente duas pessoas foram brutalmente espancadas até a morte, devido as acusações de práticas de feitiçaria.

Esta missão, visava de um lado, recolher informações sobre os tristes acontecimentos ocorridos nesta localidade, por outro lado, sensibilizar a comunidade local sobre os perigos de persistirem nestas crenças obscurantistas, capazes de minar a paz e convivência pacífica.

Na sua intervenção, Augusto Mário da Silva, condenou mais uma vez os atos de espancamentos que ocorreram naquela aldeia, no dia 28 de Fevereiro de 2019, tendo assegurado que a LGDH tudo fará para que os autores morais e cúmplices sejam traduzidos à justiça e exemplarmente punidos.

“Não podemos permitir que no pleno Sec. XXI os cidadãos sejam amarrados, torturados de forma bárbara e cruel, ao ponto de sucumbirem destes atos hediondos, devido as acusações de práticas que ninguém pode provar”, lamentou o Presidente Augusto Mário da Silva.

Na sua longa intervenção perante os anciões da aldeia, familiares das vítimas e alguns supostos cúmplices, Augusto Mário da Silva lançou um vibrante apelo a população local, a se absterem de todo e qualquer ato de vingança ou a justiça privada, tendo assegurado que a LGDH vai acionar todos os mecanismos ao seu alcance para que a justiça seja feita de forma célere e independente neste caso.

Para Terminar, o Augusto Mário da Silva apelou a reconciliação com base nos critérios da justiça, entre as diferentes famílias envolvidas no caso.

Durante o encontro, era perceptível a revolta dos familiares das vitimas, agravada pelos pressentimentos de impunidade, na justa medida em que, os casos semelhantes na região nunca foram punidos pela justiça.

Infelizmente, a LGDH testemunhou o ambiente de grande tristeza e da dor junto das viúvas das vítimas as quais denunciaram que serão os próximos alvos destas praticas criminosas que têm ceifado dezenas de vidas humanas na Guiné-Bissau, sem que as autoridades nacionais tomassem quaisquer medidas.

Nos próximos dias, a LGDH irá solicitar um encontro de urgência com o Procurador Geral da República para pedir o aprofundamento das investigações sobre este caso, tendo em vista a tradução à justiça de todos os implicados.

LGDH