PAIGC reivindica vitória com “poderes necessários” para governar

PAIGC reivindica vitória com “poderes necessários” para governar
Bissau, 12 Mar 19 (ANG) – O Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC) reivindicou segunda-feira a vitória nas eleições legislativas de domingo, obtendo “os poderes necessários” para governar.

Em conferência de imprensa realizada, em Bissau, o porta-voz do PAIGC, João Bernardo Vieira, não quis esclarecer se o partido tem maioria absoluta, porque não quer substituir-se à Comissão Nacional de Eleições (CNE) .“Não gostaria de entrar nesses detalhes, mas estamos com uma maioria que permite-nos estar um pouco mais confortáveis”, afirmou o dirigente do PAIGC.Disse que assim que a CNE anuncie os primeiros resultados provisórios, previstos para quarta-feira, o líder do PAIGC e candidato a primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, irá fazer uma análise política das eleições, em conferência de imprensa.Referiu que após uma “campanha eleitoral extenuante”, mas “rica em experiências”, “o mais importante é unir o povo guineense, sem distinção de raça, etnia ou religião. João Bernardo Vieira, salientando que os dirigentes do PAIGC estão “calmos e serenos”, porque “estão criadas as condições para uma governação estável para o país”.“A direcção do partido decidiu convocar a conferência de imprensa , ainda antes do anúncio da CNE, porque têm estado a circular documentos e números falsos por parte de outros partidos sobre as eleições de domingo”, disse Bernardo Vieira.O porta-voz do PAIGC sustentou que o partido dispõe de atas síntese de todas as mesas eleitorais e exige “lisura e transparência no apuramento dos resultados”.“O povo exprimiu a sua vontade inequívoca de o PAIGC dirigir o país”, salientou o membro do Bureau Político daquele partido, numa conferência onde falou em português, inglês e francês, dada a presença de jornalistas internacionais.Na declaração, o partido agradeceu “a renovada confiança” da população: “isto significa que o povo compreendeu e bem a mensagem do PAIGC”, conclui. ANG/Inforpress/Lusa