GOBERNO INICIA CAMPANHA EM TODO PAIS.

A ministra da agricultura e florestas aponta a preservação das florestas e o repovoamento das espécies como um dos pontos fortes do actual governo que visa estender a moratória para mais 5 anos que proíbe a corte das árvores de grande porte nas matas no país

Em 2015 o governo aprovou uma moratória de cinco anos que proíbe a corte das árvores e exploração e exportação das madeiras.

Nelvina Barreto, ministra da agricultura, defendeu esta ideia, hoje (23), no acto oficial da campanha nacional de reflorestação na secção de Embunhe, sector de Bissorã, que igualmente iniciou em diferentes regiões do país.

“Um dos sinais forte que este governo vai dar no sentido da preservação das nossas florestas e de permitir repovoamento das espécies que hoje estão em extinção é exactamente pedir a extensão da moratória para mais 5 anos, que vai ao encontro da necessidade de conservar e preservar a nossa riqueza natural”, explica.

A ministra da Agricultura e Florestas revelou ainda que “nos últimos anos a taxa da distribuição das nossas florestas anualmente situa entre os 40 aos 60 mil hectares, provocado por desmatação, corte clandestino das árvores, queimadas incontroladas das florestas que têm como consequência entre outros aumento da temperatura”

No que concerne ao início da reflorestação em todo território nacional, Nelvina Barreto disse que a iniciativa enquadra-se na orientação do executivo sobre política florestal.

Já o director geral das Florestas e Fauna, Augusto Fernando Cabi, em declaração aos jornalistas, à margem do evento, chamou atenção às comunidades para colaborarem na protecção destes campos da plantação das espécies florestais.

Na semana passada a ONG Espanhola “Bosque y Comunidad” procedeu a entrega do viveiro florestal da sessão de Embunhe, o viveiro tem mais de 200 mil plantas de diferentes tipos que visa motivar o equilíbrio da biodiversidade através da reflorestação ao nível nacional.

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Braima Sigá

Imagem: Internet